RESENHA #184: EDUCAÇÃO E MATERNIDADE

AUTORA: Agatha Christie
SINOPSE: Meadowbank não é um lugar onde escândalos acontecem. A escola de elite para as filhas dos mais ricos e poderosos personagens da alta sociedade britânica tem sua reputação a salvo nas mãos de uma de suas fundadoras, Miss Bulstrode ― até que a professora de educação física é encontrada morta na escola. Será que Miss Springer morreu por culpa de seus próprios segredos? Ou será que ela foi morta para proteger os de alguém? À medida que a investigação começa, uma coisa fica clara: o assassino ainda não terminou.

Ainda que romances policiais e de espionagem possuam fórmulas, nem sempre Agatha Christie vai seguir um padrão. Na verdade, quanto mais leio os livros dela, mais percebo que ela tenta, através da narrativa, fugir do óbvio – o que surpreende muitos dos leitores no desfecho.

Ao contrário do que ocorre em obras como Os Quatro Grandes, um romance de espionagem mesclado suavemente ao romance policial, Um gato entre os pombos é justamente o oposto. Dessa vez, a Rainha do Crime cria um romance investigativo com pitadas de espionagem e conspirações mundiais no plano de fundo.

Além disso, o aspecto mais chamativo desse romance é a presença tardia de Hercule Poirot, quase encarnado em uma Miss Marple. Dessa vez, ele não faz parte da investigação em si e no desenlace dos acontecimentos, dando as caras somente no final. E, ao meu ver, a forma como ele entra no romance foi o mais surpreendente.

 Como sempre, Christie, ao elaborar um plano de fundo de espionagem, traz aspectos intrínsecos da politicagem de seu tempo. Por exemplo, ela elabora em parte os conflitos do Oriente, demonstrando seus desdobramentos e trazendo a percepção preconceituosa e distorcida que os britânicos possuem sobre a cultura e a religião mulçumana.

Para além de política e de investigação, a escritora também toca nos temas educação e maternidade. Ao explorar um colégio interno, Agatha pontua o sistema educacional e explicita o que, ao seu ver, seria uma educação de qualidade: uma educação positiva aos alunos é aquela que sempre se renova, unindo a tradição a modernidade. Também acaba demonstrando o desgaste materno e as exigências sociais através das relações entre mães e filhas.

Contudo, em relação a investigação em si, o romance pareceu óbvio demais. Ao prestar atenção nas primeiras páginas, fica óbvio que há somente uma pessoa capaz de cometer os crimes, o que torna o mistério em si enfadonho. Por conta disso, minha sugestão pessoal é focalizar as críticas acima da investigação, bem como na construção da personalidade do assassino. Não é à toa que Hercule Poirot só é necessário no final do livro.

A tradução de Natalia Borges Polesso é tão boa quanto as traduções de Luisa Geisler. Com design clean, a capa chama bastante atenção porque demonstra joias, mas acredito que a disposição e a maneira como foram ilustradas não fazem sentido com o enredo. A diagramação da nova edição é ótima para a leitura e Um gato entre os pombos  é um romance para ler de uma só vez.

REFERÊNCIA

CHRISTIE, Agatha. Um gato entre pombos. Tradução de Natalia Borges Polesso. 1ª ed. Rio de Janeiro: HarperCollins Brasil, 2021.