RESENHA #171: CLARICE, VOCÊ MERECE!

ORGANIZADOR: Hugo Almeida
SINOPSE: Em 2020, centenário de nascimento de Clarice Lispector, completam-se também 60 anos da publicação de Laços de família, seu mais célebre livro de contos. Para essa dupla comemoração, 27 ficcionistas brasileiros dialogam com a obra da escritora e a homenageiam, nesta coletânea que traz narrativas inspiradas em cada um dos contos de Laços de família. Intertextuais ou não, as recriações têm pontos de vista bem diferentes ou mesmo opostos. São, em geral, duas por conto de Clarice, uma escrita por mulher e outra por homem, quase sempre de estados e idades distantes, numa amostragem da rica e diversificada literatura brasileira contemporânea. Enriquecem o volume depoimentos de cada um dos autores sobre a “gênese dos contos”.

Embora literatura não seja difundida no país como gostaríamos, todo brasileiro já ouviu falar de Clarice Lispector. Nem que seja através de uma citação em alguma rede social, muitas vezes, que nem pertence à autora.

No entanto, o que muitos não sabem, é que a escritora completaria, ano passado, 100 anos se estivesse viva. Em sua grandiosidade, mesmo após a morte, Clarice é Clarice – e marca seu passo não só na história, mas como no coração das novas gerações.

Por conta disso, Hugo Almeida, apaixonado pela autora, resolveu homenageá-la, organizando uma antologia de contos de autores contemporâneos brasileiros que se inspiraram em Clarice para escrever. Para tal, o organizador decidiu escolher a coletânea Laços de Família, cuja conta com treze contos que retratam diversos aspectos críticos presentes na obra de Lispector.

Somado a isso, a coletânea conta com uma história chamada Feliz aniversário, que dá título duplo à obra organizada por Hugo Almeida. Bem como é, dentre todos os contos, o único a ter três histórias diferentes, uma delas escrita pelo idealizador do projeto.

Embora a obra original de Clarice Lispector tenha simbolismos que não estão presentes na antologia que a homenageia, como, por exemplo, o número treze, os autores reinventam e renovam os contos lispectorianos à sua maneira. Os contos contam com autores de ambos os sexos, de diferentes idades e regiões, o que dá uma multiplicidade de perspectiva à obra e à escrita.

Além disso, a antologia possui contos que são voltados à crítica literária mais do que a ficção, o que dá, também, diferentes posicionamentos a respeito da construção total da obra de Clarice. Também há citações e referências a outros livros, como A paixão segundo G. H., A Hora da Estrela etc.

Em relação aos contos em si, alguns são continuidades dos contos presentes na obra Laços de Família, outros seguem o apontamento crítico da autora, muito embora eu – particularmente – não consiga compreender algumas concepções temáticas elaboradas pelos escritores.

Alguns contos chamam mais atenção do que outros, inclusive, dois se assimilam entre si e trazem uma surpresa extremamente agradável. Como toda antologia, há altos e baixos, mas, mesmo os baixos, são reflexivos e de boa qualidade.

A edição apresentada pela editora Autêntica tem um design clean, bem como ótima qualidade. Além dos contos, os autores explicam a gênese da construção de suas histórias e suas relações pessoais com Clarice Lispector.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Hugo. Feliz aniversário, Clarice: contos inspirados em Laços de Família. 1ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2020.