RESENHA #118: A INSUFICIÊNCIA DO AMOR

AUTOR: Ayòbámi Adébáyò
SINOPSE:Yejide e Akin se apaixonaram na faculdade e logo se casaram. Apesar de muitos terem esperado que Akin tivesse várias esposas, ele e Yejide sempre concordaram que o marido não seria poligâmico. Porém, após quatro anos de casamento ― e de se consultar com médicos especialistas em fertilidade e curandeiros, tomar chás estranhos e buscar outras curas improváveis ―, Yejide não consegue engravidar.
Ela está certa de que ainda há tempo, mas então a família do marido aparece na sua casa com uma jovem moça que eles apresentam como a segunda esposa de Akin. Furiosa, chocada e lívida de ciúmes, Yejide sabe que o único modo de salvar seu casamento é engravidar. O que, enfim, ela consegue ― mas a um custo muito maior do que poderia ter imaginado.

 

No primeiro capítulo, meus olhos já estavam cheios de lágrimas. Elas não escorreram, mas poderiam tê-lo feito. Talvez, isso aliviasse um pouco da tensão que esse livro trouxe – ou não. Quem sabe? Não há uma parte sequer que Fique comigo não mexa com você, principalmente, quando você é uma mulher.

Saber que toda a comunidade a sua volta é machista, é uma coisa que toda mulher brasileira está acostumada e tenta lutar contra. Mas, ser vista apenas como uma reprodutora para perpetuar o sangue do marido, é diferente. Dói mais. Bem mais.

A sociedade nigeriana, desde 2017, tem tentado modificar as diretrizes do país sobre a questão da poligamia – um dos temas cernes do enredo –, até porque a área rural é a que mais a pratica, na contrapartida das camadas mais abastadas e urbanas. No entanto, não era dessa forma que funcionava na década de 80 em que um homem poderia ter mais de uma esposa e a obrigatoriedade dela era gerar filhos acima de tudo. Mas se isso não acontecesse? Em quem recai a culpa?

Obviamente, na mulher. Quando não?

Assim, o cenário político problemático e as relações sociais e familiares destinadas a submeter o feminino ao masculino se mesclam. Enquanto a Nigéria colapsa, o casamento de Yejide e Akin também: entrelaçando os dois momentos e as duas situações, a escritora mostra que a vida cotidiana nunca está isenta e salva se os domínios e muros a sua volta ruírem.

Intercalando os pontos de vista do marido e da esposa, bem como faz com a linha do tempo (entre 2008 e a história de amor de dois jovens que prometeram monogamia um para o outro na universidade), Adébáyò consegue nos fazer refletir sobre a situação conjugal, sem pender para um lado ou outro até o momento certo.

Esse momento chega e podemos ver o quanto a sociedade pode afetar as nossas relações íntimas, como o outro – fora de um encontro a dois – pode soar terrível e amaldiçoado, principalmente, quando esse faz parte da nossa própria família.   

 Assim, Yejide não precisa lutar somente contra o mundo, mas contra a perda do eu, dos desejos, dos queridos e do homem que jurou ser o amor da sua vida. Ela precisa lutar contra a perda e viver o luto. Por outro lado, Akin precisa lidar com a perda de Yejide e o que esperam dele como homem.

Entre a temática da maternidade e da perda, entrelaçadas com a política, Fique comigo é uma história de amor e, também, sobre amor. No entanto, ela não romantiza o sentimento e as relações por ele construídas. Adébáyò mostra, como diz o ditado popular, que o amor não enche barriga. Ou seja, o amor, por si, não é suficiente.

A edição de brochura feita pela Harper Collins é bonita e chamativa, principalmente, as formas femininas em rosa. Elas contrastam muito bem com o enredo e também com a cor alaranjada. A tradução está ótima e não me lembro de achar erros, talvez pelo meu envolvimento emocional com o texto. A discípula de Atwood e de Adichie estreou divinamente bem.

REFERÊNCIAS

ADÉBÁYÒ, Ayòbámi. Fique comigo. Tradução de Marina Vargas. 1ª ed. Rio de Janeiro: Harper Collins, 2018.
ANÔNIMO. ‘Uma é suficiente’: o líder muçulmano com 4 mulheres que quer banir a poligamia em parte da Nigéria. Internacional. BBC News Brasil. Brasil. 27, fev. 2017. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/internacional-39105583>.